sábado, 24 de maio de 2014

Elano e Julio Baptista participam do "Bem, Amigos!" segunda.









Elano disputa a bola com Frauches em treino do Flamengo.
Dois jogadores que representaram o Brasil na Copa de 2010 são os convidados do "Bem, Amigos!" desta segunda-feira. Júlio Baptista e Elano vão participar do programa, que terá a apresentação de Luis Roberto.

Os dois meio-campistas vão opinar sobre as possibilidades da Seleção na Copa de 2014, lembrar suas experiências no selecionado e avaliar o momento de seus clubes.

Campeão brasileiro com o Cruzeiro no ano passado, quando voltou ao futebol brasileiro após dez anos na Europa, Julio Baptista ainda luta para se firmar como titular do time mineiro, após ter ficado como opção no banco de reservas durante boa parte do Brasileirão do ano passado.

Elano vive um momento díficil no Flamengo. O experiente jogador, de 32 anos, sofre com uma série de lesões, impedindo que tenha uma sequência maior de jogos no Rubro-Negro carioca. Que vive um mau momento no Campeonato Brasileiro, frequentando a parte inferior da classificação.

Também vão participar do programa os comentaristas Alberto Helena Júnior, Arnaldo Cézar Coelho, Belleti, Caio Ribeiro e Wagner Vilaron. A atração musical é o sambista Ivo Meireles. O "Bem, Amigos!" começa às 21h (de Brasília).

Fonte: SporTV


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Elano-Julio-Baptista-participam-bem-Amigos-segunda.html

Mudanças Necessárias.









Irmãos rubro-negros,

está evidente para todos que o futebol do Flamengo apresenta-se muito aquém da expectativa em 2014.

Fizemos apenas uma boa partida no ano, contra o Emelec, no Equador, lembrando que já estamos no final de maio.

A crise está forte e, em casos que tais, a paixão do torcedor sempre fala mais alto.

Embora respeite de coração a opinião de alguns amigos rubro-negros, que acham que a bagunça vigente no futebol do clube se compara a de gestões antigas, inclusive a que antecedeu a atual, eu, humildemente, divirjo.

Que o futebol do Flamengo está bagunçado, ninguém duvida e os resultados em campo o comprovam. Mas a situação, ainda assim, é muito diferente do que ocorria até dezembro de 2012.

Em primeiro lugar, não lemos mais aquelas notícias diárias de que fulano chegou atrasado, beltrano foi treinar bêbado, virado da noite, ou que sicrano foi “liberado” do treino para levar a vovozinha ao médico.

Tampouco se lêem notícias, como outrora era comum,  de brigas e discussões em treinos ou reclamações de atletas quanto ao pagamento dos salários.

Então, podemos dizer que a situação melhorou.

Mas também devemos reconhecer que, diante da enorme grandeza do clube, o futebol do Clube de Regatas do Flamengo ainda encontra-se longe, muito longe, do patamar em que merece estar.


É preciso, portanto, atentar com cuidado e carinho ao que não tem funcionado.

Mais ainda, é indispensável implantar uma nova concepção, uma nova filosofia no Mengo. Uma filosofia que valorize a genuína tradição rubro-negra.

Hoje, o que vemos são jogadores, técnicos e profissionais do futebol descompromissados e indiferentes ao momento de crise vivido pelo clube.

Vemos jogador saindo para noitada, feliz e pimpão, mostrando desavergonhadamente todos os dentes da boca, como se estivesse tudo uma maravilha.

Vemos técnico indo à praia, “comer seu peixinho”, após derrotas vexaminosas, sem perceber que, como comandante da equipe, deveria ser o primeiro a dar exemplo de contrição e serenidade.

Vemos jogador “esquecendo”, veja só que beleza, de ir treinar depois de um empate com gosto de derrota e tendo esse atleta inclusive falhado no gol de empate do adversário. Esquecer de pagar as contas ou de ir ao cabeleireiro e à manicure ele não esquece, né.


Pois essa é a realidade do futebol profissional nos grandes clubes brasileiros, e mesmo no sofisticado mundo europeu, onde alguns jogadores do Barcelona, por exemplo, fizeram sinais obscenos à torcida como se fosse a coisa mais natural do mundo. Fosse há quarenta, cinqüenta ou sessenta anos atrás, não teriam coragem de tamanha ignomínia.

A realidade, porém, é essa e é preciso enfrentá-la com sabedoria e firmeza.

Nesse contexto, torna-se importante destacar que nem todos os atletas que compõem o elenco do Mengão se caracterizam pela leniência, vagabundagem e falta de raça que têm contaminado parcela do grupo.

E à diretoria cabe separar o joio do trigo, distinguir quem está a fim de jogo, quem compreende e valoriza a importância de vestir a camisa do Flamengo, daqueles que estão acomodados com o “bem-bom” da vida de jogador milionário, vedete de futebol.

Esse é o papel que a diretoria tem de exercer sem receio, firme em suas convicções, as mesmas que os têm conduzido a fazer uma gestão fantástica à frente das demais searas do clube.

Portanto, repito ser fundamental construir, ou melhor, resgatar os valores mais essenciais da alma flamenga: raça, respeito ao clube e à torcida, comprometimento, dedicação, humildade.

Nem falo de amor e paixão à camisa porque, conquanto eu seja saudosista de outras eras, não sou ingênuo a ponto de defender o retorno de sentimentos há muito sepultados pela excessiva mercantilização do futebol.

Mas podemos exigir, sobretudo pagando em dia, raça, respeito ao clube e à torcida, comprometimento, dedicação, humildade. Esse é o mínimo do breviário de quem pretende vestir o Manto Sagrado. 

As mudanças, pois, são necessárias, porquanto temos visto exatamente o oposto de tudo que o Flamengo merece.

A demissão do Jayme foi providencial, mas foi apenas um passo, que se não vier acompanhado de outros, poucos frutos trará.

Parece evidente a muitos flamengos apaixonados a necessidade de extirpar do clube certas maçãs podres, de todos conhecidas, que acabam contaminando os demais. Afinal, quem correrá por um chupa-sangue vagabundo?

Tem jogador que, chegando junho, sequer entrou em forma. Inacreditável. Estamos quase em junho e o sujeito continua a abrir a boca com vinte, trinta minutos de jogo. Isso é o cúmulo da safadeza e do descompromisso com o clube e a torcida que lhe pagam o altíssimo salário.

Tem jogador que processou o clube, foi reintegrado ao elenco, e continua a se portar com a mesma falta de vontade de antes. Esse, mais que qualquer outro, até por ser cria da base, tinha de comer grama, sujar o uniforme e encharcar o Manto de suor. Mas não é isso o que ocorre, infelizmente. 

E os casos de rebeldia no que tange ao dever de respeito ao clube e à torcida, sobretudo quanto à postura dentro de campo, se sucedem em certos círculos do elenco.

Há jogador, ex-selecionável, com salário de astro, cujo valor o Flamengo paga a metade, e já é muito, dado o futebol apresentado, ou melhor, não apresentado, que, recém chegado, vive no departamento médico e, quando liberado para jogar, não marca, não corre, não luta e não briga, como se estivesse a disputar não uma partida de futebol pelo Flamengo, mas um jogo de damas com as senhorinhas da quermesse.

Outros, com muitos anos de casa e pose, só pose, de liderança, estão muito mais preocupados com seu projeto pessoal de jogar até os quarenta, quem sabe até os quarenta e cinco anos, e recebendo, obviamente, uma bela soma a título de salário, do  que com os verdadeiros interesses do clube ao qual diz amar. E o clube nisso? Ora, o clube é um mero detalhe. O que importa é esticar a carreira ao máximo, ainda que em detrimento da boa performance da equipe dentro de campo.

E há, ainda, aquele tipo de jogador que gosta de reclamar de tudo e de todos: reclama que o jogo é longe, reclama que tem medo de viajar de avião, reclama que a bola é redonda e que o atacante adversário sempre a chuta com muita força. Em suma: um reclamão. E quando abre a boca para fazer qualquer declaração que não seja uma lamúria, invariavelmente diz besteira, demonstrando grande incapacidade intelectual para dar uma simples entrevista. E o pior, tem tomado gosto, e que gosto, por falhar seguidamente, além de esquecer, com a ingenuidade de uma criança que pega um brigadeiro da bandeja antes do parabéns, de aparecer para o treino da manhã.

Pois o que vejo é a premência do Flamengo oxigenar seu elenco e suas referências dentro de campo.

Então, diretoria flamenga, fica aqui o humilde recado de um rubro-negro, que muito admira o vosso trabalho, louco de amor e paixão por esse clube, essa instituição mística, mítica, cósmica e divina:

Botem pra fora do clube os chinelinhos, os traidores, os chupadores de sangue. Todos sabemos quem são.

Tentem negociar os direitos econômicos dessas ervas daninhas pelo melhor valor possível; se não for viável, vendam por preço vil mesmo; e se nem isso conseguirmos, negociem então uma rescisão amigável.

E tratem, também, de reforçar o time. Aqui abro um parêntese, pois acho que nosso time está na média dos demais, salvo, claro, Cruzeiro, Internacional, Atlético-MG, Fluminense e, talvez, Grêmio. Basta ver a escalação do Bahia, do Goiás, do Criciúma e de vários outros para constatar que o nosso elenco é fraco, mas não é inferior à maioria.

Mas, de todo modo, trata-se de um elenco que tem carência em diversas posições, as quais necessitam ser reforçadas. Gol, laterais direita e esquerda, volante, meia e ataque. Todas requerem jogadores mais qualificados para encorpar o time.

Não tem dinheiro? Usem de criatividade, busquem parceiros, livrem-se de jogadores caros e inúteis do elenco, enfim, ninguém imaginou que seria fácil.

Isso, aliás, tem de ser feito com toda a brevidade.

Porque se as coisas caminharem como estão, talvez o Ney Franco não chegue nem à Copa do Mundo à frente do comando técnico do Flamengo.

...

Antes de finalizar, uma observação: clube grande se faz grande dentro e fora de campo. Futebol, e o brasileiro, nesse mister, mostra-se ímpar, é um meio nojento, asqueroso.

Todos já observamos que o Flamengo tem sido sistematicamente prejudicado no Campeonato Brasileiro. No último jogo, então, foi descarado.

O sujeito, além de inverter faltas e truncar o jogo quando isso nos atrapalhava, não marcou um pênalti no Alecssandro no primeiro tempo, deu uma falta inexistente a favor do adversário no apagar das luzes, e ignorou, na frente de todos, a falta que o jogador do Bahia fez ao empurrar os atletas que compunham a barreira do Flamengo.

Naturalmente, isso não apaga a lamentável atuação do time que, como reconheceu nosso técnico, foi inferior ao adversário.

A despeito disso, todo cuidado é pouco e quanto antes o clube firmar posição, melhor. Não se trata de beneficiar indevidamente o clube, de modo algum; basta não prejudicá-lo.

Fonte: Buteco do Flamengo


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Mudancas-Necessarias.html

Ranking aponta Boca, SPFC e Flamengo como os maiores da América.









Flamengo de Zico enfrentando o Boca de Maradona no Maracanã, em 1981
O site Pasión Libertadores elaborou ranking, que leva em conta o número de títulos continentais, o número de torcedores e a capacidade do estádio dos clubes sul-americanos. O primeiro da lista, por estes critérios seria o Boca Juniors.

Apesar de na última temporada não ter tido tão sucesso, a equipe treinada por Carlos Bianchi segue no topo da lista dos melhores clubes da América Latina. O segundo e terceiro colocados no ranking são brasileiros. São Paulo e Flamengo estão logo atrás dos argentinos, que tem seis Libertadores, três Mundiais de Clubes e 16 milhões de torcedores, os critérios que mais valem pontos.

Corinthians (5º), Santos (9º), Internacional (10º), Cruzeiro (12º), Grêmio (13º), Palmeiras (15º) e Vasco (18º) são os outros brasileiros que aparecem entre as 30 primeiras colocadas do ranking.

Critérios do ranking:
- Título da Copa Libertadores / Mundial = 2 pontos
- Vice-campeonato da Copa Libertadores = 1 ponto
- Outras Taças Internacionais (Sul-americana , Recopa , Super, etc ) = 1 ponto
- Milhões de torcedores = 1 ponto
- Estádio Grande, médio, pequeno e emprestado = 3 pontos / 2 pontos / 1 ponto / 0,5 pontos
- Rebaixamento no país = 3 pontos

Os 10 primeiros colocados do ranking:

1º Boca Juniors (Argentina): 50 PONTOS

2º  São Paulo  (Brasil): 39 PONTOS

3º  Flamengo (Brasil): 38.5 PONTOS

4º Independiente (Argentina): 29 PONTOS

5º Corinthians (Brasil): 26,5 PONTOS

6º Peñarol (Uruguay): 23,9 PONTOS

7º River Plate (Argentina): 22 PONTOS

8º Nacional (Uruguai): 20.2 PONTOS

9º Santos (Brasil): 20 PONTOS

10º Internacional (Brasil): 20 PONTOS

Fonte: Goal


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Ranking-aponta-Boca-SPFC-Flamengo-maiores-America.html

Esse manja: Capitão Léo sugere patrocínio menor ao Flamengo.









A reação de Negueba ao ler a sugestão de Leonardo Ribeiro.
Ao que parece o Capitão Léo, líder de um grupo de oposição no Flamengo, tinha uma sugestão melhor (segundo ele) para acertar as dívidas/penhoras do Clube junto as Fazendas Municipais, Estaduais, Federais e demais órgãos públicos. Vejam o que ele diz em sua página no Facebook:

Leonardo Ribeiro - Na Administração, fizeram um acordo FISCAL que suga R$ 65.000.000,00 por ano para pagamento de Tributos Federais, tiram a CND (certidão) e em troca fizeram um acordo com a CAIXA de R$ 25.000.000,00 !! Pagam 65 E Recebem 25 !!! Era muito melhor pagar 5% do faturamento, como na lei da recuperação judicial e ter um patrocínio PRIVADO, que fosse até menor, mas no conjunto melhor!

O processo de recuperação judicial é promovido por iniciativa de quem está em crise, que apresenta perante o Poder Judiciário o pedido do benefício. Verificando o atendimento a todos os requisitos legais, o juiz defere o processamento da recuperação judicial, abrindo-se prazo para os credores realizarem as habilitações de crédito perante o administrador judicial e para o devedor apresentar o plano de recuperação judicial.

Em relação aos efeitos decorrentes da distribuição da recuperação judicial, a maior dificuldade enfrentada pela recuperada é o acesso ao crédito. O pedido de recuperação resulta na imediata restrição ao crédito, justamente no momento em que mais se precisa dele. Nem mesmo os bancos oficiais concedem crédito, diante da insuperável análise de riscos, que trava o sistema e impede a liberação do crédito. Também tornam-se intransponíveis receber patrocínios de empresas públicas, bem como obter recursos públicos para apoio aos esportes olímpicos. 

Silvio Macedo


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Esse-manja-Capitao-leo-sugere-patrocinio-menor-Flamengo.html

Extra: Flamengo perde controle do elenco e busca Newton Drummond.









O profissionalismo livre dos antigos vícios do futebol, pregado pela atual gestão desde que assumiu o comando do Flamengo, nunca foi posto tanto à prova como nas últimas duas semanas. Há 12 dias sem um diretor executivo, o clube perdeu o controle sobre o elenco, numa situação que deixou a diretoria perdida. Por isso mesmo, o clube corre para fechar com um novo responsável pelo futebol.

Um dos mais desejados é Rodrigo Caetano. Mas ele ainda tem contrato com o Vasco e só deixaria o clube após a eleição de agosto. Com isso, o nome de Newton Drummond, ex-Internacional, ganhou força. Embora ele mesmo negue qualquer contato com o Rubro-Negro, o vice de futebol, Wallim Vasconcellos, não desmentiu a informação.

— O diretor executivo deverá ser anunciado no início da semana — limitou-se a dizer o dirigente.

O futebol vive momento alarmante. Internamente, a insatisfação com a falta de compromisso do elenco é grande. O time atravessa um momento que exige dedicação e entrega, mas nem uma e nem outra vem sendo vistas no dia a dia.

Após a demissão de Paulo Pelaipe, muitos jogadores abandonaram a caneleira para treinar com os meiões arriados ou de meia soquete, o que os deixa expostos ao risco de lesão durante uma atividade banal. Nesta sexta, o Ninho do Urubu foi palco do caso mais recente: Felipe faltou ao treino sem avisar, se enrolou na justificativa e só deve ser cobrado hoje pelo episódio.

Constrangido, Ney Franco comunicou que o goleiro não havia aparecido no treino da manhã. Mais tarde, o próprio emitiu nota informando que havia dormido até 12h30m. Somente então ele entrou em contato com o supervisor Sérgio Helt e explicou que havia confundido o horário da atividade. Apesar da desculpa difícil de se acreditar, ninguém da diretoria o cobrou.

— Vamos discutir internamente — afirmou Wallim.

Fonte: Extra Globo


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Extra-Flamengo-perde-controle-elenco-busca-Newton-Drummond.html

Folga na Copa corre risco de não acontecer no Flamengo.









Diante do mau momento do time no Campeonato Brasileiro e do comportamento descompromissado dos jogadores, a diretoria do Flamengo pode adotar uma medida que promete causar polêmica. O período de folga durante a pausa para a Copa do Mundo, que já estava programado desde o início da temporada, pode ser cancelado.

A ideia inicial era dar folga de 10 dias aos jogadores a partir de 2 de junho. Mas ao falar sobre essas férias, o técnico Ney Franco deu a entender que o descanso está sub judice.

— Em relação à folga, chegou uma nova comissão técnica. Ainda vamos ter uma reunião. Mas vamos soltar toda a programação nossa para a parada da Copa e vamos passar para vocês (da imprensa) na semana que vem — disse o treinador.

Embora ainda não esteja confirmado, esse “castigo” já vem sendo comentado internamente. E com receio. Muitos jogadores já têm viagem programada. Logo, a suspensão das férias pode provocar a ira de muitos deles contra a diretoria e o treinador. Ou seja: o que está ruim atualmente, pode piorar ainda mais.

Fonte: Extra Globo


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Folha-Copa-corre-risco-nao-acontecer-Flamengo.html

Flamengo encara mau momento sem "escudo" fora de campo.









Luz apagada no comando do departamento de futebol do Flamengo. Em meio à pior crise de resultados desde o início da gestão Bandeira de Mello, o clube designou ao CEO Fred Luz a função de diretor executivo da pasta. Passada a primeira semana do cargo, porém, o elenco ainda carece de uma figura de liderança nos bastidores. Se Paulo Pelaipe muitas vezes era questionado por ser enérgico demais, o interino na condição de homem forte do futebol tem contato praticamente nulo com os jogadores e se resume a funções burocráticas.

O episódio desta sexta-feira, quando Felipe faltou o treinamento da manhã e alegou, somente durante a tarde, ter se confundido com o horário da atividade, por sinal, evidencia isso. Após o goleiro se posicionar, coube ao vice de futebol, Wallim Vasconcellos, e ao treinador Ney Franco debaterem a posição do clube a respeito do caso, que será revelada no sábado. O jogador, inclusive, se comunicou com o supervisor Sergio Helt, que trata basicamente da logística do time.

A mudança de comportamento dos jogadores sem a figura de um líder nos bastidores, por sua vez, pode ser vista já nos dias seguintes das demissões de Jayme e Pelaipe, quando parte do grupo descumpriu uma cartilha para os treinamentos. A proibição de trabalhar com meia curta e a obrigação do uso da caneleira foram ignorados (veja ao lado), mas o próprio Ney entrou em ação e já a partir de seu segundo dia de trabalho, na quinta-feira, dia 15, tudo voltou ao normal.

Presente nos treinamentos de segunda e terça-feira no Ninho do Urubu, e na partida com o Bahia, Fred Luz sequer organizou uma reunião com o grupo para uma apresentação coletiva formal ou apontar diretrizes no período em que ficará na frente do departamento. O comunicado de que ficará no lugar de Paulo Pelaipe enquanto o clube busca um nome no mercado aconteceu individualmente com algumas lideranças no centro de treinamento.

O elenco trata a situação com naturalidade, mas sente falta de um "escudo". Questionados sobre o dirigente, muitos responderam com "nunca falei com ele" ou "não tenho intimidade". Após o empate com o Bahia, por 1 a 1, com um gol no fim e atuação abaixo da média, Fred Luz apareceu calado e discreto no vestiário. No dia seguinte, mesmo com o turbilhão de críticas que o time tem sofrido, não apareceu no Ninho do Urubu. Nesta sexta-feira, ele também esteve no CT, mas trabalhando da mesma forma.

Apesar da presença mais próxima do futebol, Luz tem ficado restrito a ações burocráticas, administrativas, até por não ser especialista no ramo. Neste caso, até mesmo o antecessor, Pelaipe, se reportava ao CEO para informar de suas decisões. Desta vez, porém, mesmo estando no convívio, é o supervisor Sérgio Helt quem faz a ponte e informa sobre as necessidades, seja do departamento em si ou dos jogadores.

Questionado sobre a função que desempenha neste organograma temporário do futebol rubro-negro, Fred Luz admitiu que sua presença no centro de treinamento não tem a mesma imponência de um profissional da função:

- Estou interinamente, é mais para dar um apoio, mas naturalmente não é uma figura como a do Pelaipe. É absolutamente natural. Estamos sem diretor por um tempo, estamos buscando, e estou suprindo essa ausência mais para dar apoio.

Outra peculiaridade na realidade do novo diretor executivo temporário é a ausência em uma das principais atribuições da pasta: as contratações. O vice de futebol, Wallim Vasconcellos, é quem tem agido no mercado, sempre em parceria com o vice de marketing, Luiz Eduardo Baptista, o Bap, e o vice de finanças, Rodrigo Tostes. As ações rubro-negras neste sentido, entretanto, ainda são tímidas, e muitas vezes a iniciativa de empresários oferecendo nomes. Um dos que surgiram recentemente foi o do atacante Kléber, do Grêmio, mas as conversas não avançaram.

No organograma atual, quem poderia suprir essa carência de líder no departamento de futebol é o vice, Wallim Vasconcellos. O dirigente, por sua vez, mantém a rotina de visitas raras ao centro de treinamento, como acontecia na gestão Pelaipe. Ausente também no empate com o Bahia, ele esteve no Ninho pela última vez na quarta-feira, dia 14, quando apresentou oficialmente Ney Franco como novo treinador.

Com esse organograma empresarial, o Flamengo encara a reta final do Brasileirão antes da parada para Copa do Mundo. Até lá, serão três jogos: contra Santos, Figueirense e Cruzeiro. A realidade na tabela é cruel, com a 16ª colocação, com somente cinco pontos em seis jogos, e o torcedor já deu mostras recentemente de que a paciência está chegando ao fim.

Fonte: GE


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Flamengo-encara-mau-momento-sem-escudo-fora-campo.html

Flamengo tem série de justificativas contra má fase.









Erros de arbitragem, lesões, falhas de marcação ou simplesmente falta de sorte. O elenco tem uma série de justificativas para a má fase do Flamengo, que está próximo da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro e vê a insatisfação da torcida aumentar a cada dia.

Sem vencer há três jogos, o Rubro-negro vive uma crise interna até certo ponto inesperada para quem começou a temporada com o status de campeão da Copa do Brasil. A pressão em torno da diretoria, que mantém a cautela na busca por reforços, é uma das características do momento desfavorável.

Mas qual é o problema do Flamengo? O fato é que nem sequer jogadores e comissão técnica conseguiram alinhar o discurso e chegar ao denominador comum após o empate com o Bahia por 1 a 1. Em crise, o Rubro-negro enfrenta o Santos, domingo, às 16h, no Morumbi, e precisa da vitória para amenizar o clima pesado.

O zagueiro Wallace e o goleiro Felipe foram atletas que cobraram bastante internamente depois de mais um resultado negativo. O primeiro deixou o descontentamento explícito em sua entrevista coletiva.

"Quase não evoluímos de um jogo para outro. Entendo que não temos padrão. Estamos com o emocional abalado. Não conseguimos defender bem, tampouco atacar. A diferença no número de finalizações entre Flamengo e Bahia foi absurda. Se for preciso, vamos sair no tapa para voltar aos trilhos. Pode demorar, mas vai acontecer. Às vezes, somos amigos até demais. Não existe racha no grupo. Talvez seja esse o problema", afirmou.

Enquanto alguns optaram por cobranças intensas, outros jogadores preferiram um discurso tranquilizador. Elano e Everton fizeram questão de culpar o juiz pela falta que resultou no gol de empate do Bahia. Já o atacante Alecsandro, vetado por conta de uma lesão no tornozelo direito, contemporizou em outras áreas.

"Esse é o momento de tentar entender para não falar besteira e colocar problema onde não tem. Sofremos um gol irregular em uma falta que não houve e depois o Titi empurrou a nossa barreira. Falei isso para o árbitro, que é novo e serve de experiência. O Flamengo tem bons jogadores e um bom técnico. Não estamos muito atrás dos outros times. No futebol, é assim. Às vezes, as coisas não encaixam", ponderou.

Por sua vez, o técnico Ney Franco admitiu a pressão e deixou claro que o elenco precisa administrar a situação desfavorável. Enquanto isso, torcedores se organizam e prometem protestos no fim de semana contra time e diretoria.

"Qualquer equipe trabalha questionada em má fase. Os profissionais precisam ter capacidade emocional para conviver com isso. Quem não tiver, que vá trabalhar na Quarta Divisão ou time que não tenha divisão", encerrou o comandante.

Fonte: UOL


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Flamengo-tem-serie-justificativas-contra-ma-fase.html

sexta-feira, 23 de maio de 2014

Camisa 10 do Flamengo treina com o time C.









Atual dono da camisa 10 do Flamengo, Mugni parece estar sem prestígio com o técnico Ney Franco. Os jogadores que não começaram atuando contra o Bahia, na quarta-feira, participaram de um coletivo no Ninho do Urubu, na tarde desta quinta. Na atividade, o meia-atacante argentino integrou a equipe C, ficando fora do time formado pelos suplentes imediatos.

Além de Mugni, o volante Muralha foi outro ex-titular que treinou com o terceiro time. O Flamengo B, portanto, foi formado por: Paulo Victor; Digão, Chicão, Frauches e João Paulo; Amaral, Luiz Antonio, Mattheus e Negueba; Gabriel e Arthur.

Enquanto o coletivo acontecia no campo um, os atletas que começaram atuando diante do Bahia realizavam apenas um trabalho físico, na academia do CT.

Se preparando para partida contra o Santos, o Fla volta a treinar na manhã desta sexta-feira, novamente no Ninho. O jogo contra o Peixe é neste domingo, às 16h, no Morumbi.

Fonte: Lancenet


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Camisa-10-Flamengo-treina-time-C.html

Alecsandro elogia elenco, e diz que fase se dá pela troca de treinador.









Alecsandro e mattheus se alongando em treino do Flamengo.
Há quem consiga ver potencial no grupo atual do Flamengo, ainda que os resultados não favoreçam. Este ano, o time caiu na fase de grupos da Taça Libertadores, venceu o Carioca com um gol nos acréscimos e vive um péssimo início de Campeonato Brasileiro, pior até mesmo do que no ano passado, quando conquistou seis pontos nas seis primeiras rodadas da competição.

- Temos bons jogadores. Se fizer um raio X com os outros 19 clubes da Série A dificilmente vai ter uma desigualdade pela qualidade do time, do treinador. No futebol, às vezes as coisas não encaixam. O momento é difícil pela mudança. É o segundo jogo do novo treinador. Nada que seja uma coisa desesperadora. Qualquer diretor de outro clube gostaria de contar com algum jogador do Flamengo. A gente não vem jogando bem, mas mesmo sem jogar bem, você pode vencer. Espero que a gente consiga parar para a Copa do Mundo bem pontuado na tabela para então prometer algo. Pela atmosfera do clube, pelo que representa, o Flamengo tem que estar em todas as Libertadores - disse Alecsandro.

Fonte: GE


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Alecsandro-elogia-elenco-diz-fase-da-troca-treinador.html

Sem papas na língua, Wallace fala a realidade do Flamengo.











SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Sem-papas-lingua-Wallace-fala-realidade-Flamengo.html

Viva a sinceridade!









Wallace e Alecsandro realizaram um duelo de pontos de vista em coletiva pelo Flamengo.
Ao fim do treinamento desta quinta-feira, os jornalistas presentes no Ninho do Urubu foram avisados de que dois jogadores concederiam entrevista coletiva: Wallace e Alecsandro. Confesso, comemorei. Não pelo atacante, mas pelo zagueiro. O camisa 14 faz algo que é muito complicado e difícil de ser feito atualmente. Hoje em dia, as entrevistas de jogadores de futebol são quase como notas oficiais emitidas pela assessoria de imprensa, seja ela particular ou do clube.  Respostas prontas e ensaiadas. Mas com Wallace, não. Quando ele chega à sala de imprensa, é diferente (tomara que continue sendo). Ele se posiciona, dá opinião e externa sinceridade ao falar.

Não me entendam mal. Não sou um repórter que está atrás das declarações polêmicas, mas sim das sinceras. O torcedor, acredito, gosta de verdade, gosta de saber o que aquele cara que enverga a camisa do time dele está pensando. E foi isso o que Wallace fez: matou a curiosidade dos flamenguistas. Não foi injusto ao criticar a si próprio e aos companheiros, foi honesto. O momento do Flamengo não é bom e os números não mentem. Portanto, nada mais puro do que falar: “Nosso time não tem padrão de jogo, não estamos evoluindo, fomos displicentes”.

Diferentemente do que Alecsandro pode pensar, Wallace não foi polêmico, foi sincero. É muito mais fácil corrigir um erro quando o mesmo é reconhecido.  Difícil é corrigi-lo quando se está iludido, ou tentando iludir.

Por fim, aqui fica o meu agradecimento ao zagueiro do Flamengo. Pois, no futebol atual, são poucos os jogadores se posicionam. E Wallace ainda é um deles.

Por mais “Wallaces” e menos “Alecsandros”.

Entendam o que digo clicando aqui!

Fonte: Grito da Nação


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Viva-a-sinceridade.html

quinta-feira, 22 de maio de 2014

Veja como ficou a Classificação do Brasileirão após a 5ª rodada.









Neste final de semana aconteceram os jogos da quinta rodada do Campeonato Brasileiro  2014 da Série A. O Internacional empatou fora de casa com o Criciúma sem gols, mas continua na liderança da competição com onze pontos somados.

O segundo é o Cruzeiro com 10 pontos. A Raposa venceu no Mineirão o time do Coritiba pelo placar de 3 a 2 e ficou perto da liderança do Brasileirão. O time do Grêmio conseguiu vencer a equipe do Fluminense em Porto Alegre por 1 a 0 e também chegou aos dez pontos, mas fica com a terceira colocação nos critérios de desempate.

Com a mesma pontuação está o time do Goiás que enfrentou o Botafogo ainda no meio da semana pela quinta rodada e venceu pelo placar de 1 a 0. Fluminense, Palmeiras e São Paulo estão na 5ª, 6ª e 7ª posições, respectivamente, com nove pontos.

Na zona do rebaixamento da competição, o primeiro time que aparece é o Criciúma na 17° colocação com quatro pontos somados na tabela do Brasileirão. Quem conseguiu sair da lanterna para a 18° posição foi o time do Figueirense.

A equipe de Florianópolis conseguiu vencer o Corinthians na inauguração da Arena Itaquera, em São Paulo, pelo placar de 1 a 0. O fato foi muito comentado nas redes sociais, pois o Timão era o grande favorito para esse primeiro jogo oficial do estádio que será o palco da abertura da Copa do Mundo de 2014.

O Coritiba começou muito mal esse Brasileirão e ainda não venceu no campeonato. O time é o vice-lanterna da competição com apenas três pontos. O pior time do Campeonato Brasileiro até o momento é a Chapecoense que, apesar de arrancar um empate nos minutos finais do jogo contra o Atlético Paranaense hoje, ainda não venceu e fica com apenas dois pontos na tabela de classificação do Brasileirão.

O campeonato ainda está no seu início, mas os times que brigarão por algo na competição vão se mostrar antes da parada para a Copa do Mundo.


Fonte: Sobre Isso


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Veja-ficou-Classificacao-brasileirao-apos-5-rodada.html

Vídeo: Ney Franco analisa empate do Flamengo.











SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Video-ney-Franco-analisa-empate-Flamengo.html

Flamengo está à beira do caos com Wallim Vasconcellos.









Se o Flamengo, jogando como mandante, não consegue ganhar nem de um time do Bahia, com nove desfalques, vai ganhar de quem no campeonato?

O empate sofrido nós últimos lances foi um justo castigo para mais uma atuação medíocre, vergonhosa, indigna da camisa e da história do clube Mais Querido do país.

Vários de seus jogadores estão claramente fora de forma e acima do peso - casos mais evidentes de André Santos (que jamais chegou ao físico ideal, desde que foi contratado), Elano (contratado em evidente ocaso da carreira)  e Felipe, que falha um jogo atrás do outro.

E o comportamento desleixado e pouco profissional de vários de seus principais atletas é fruto evidente da falta de comando. Não somente do time mas do departamento de futebol como um todo.

O vice-presidente Walim Vasconcelos tem se revelado um dos piores dirigentes da história do rubro-negro. Perdido em sua própria arrogância, vem errando em praticamente todas as contratações e decisões (a começar pela de Paulo Pelaipe, recentemente demitido). E se mostra incapaz de fazer com que os jogadores tenham, pelo menos, um comportamento profissional mínimo, ou seja, mantenham-se em forma física, evitando noitadas e excessos.

Esse começo catastrófico no Campeonato Brasileiro já é dos piores na centenária história de um clube que se orgulha de jamais ter sido rebaixado. Mas pelo andar da carruagem, nessa temporada estará mais ameaçado que nunca.

A menos que mudanças drásticas sejam tomadas - a começar pela substituição do principal dirigente responsável pelo futebol - o futuro rubro-negro será sombrio.

A continuar assim, não haverá reestruturação financeira capaz de salvar a atual administração.

Em tempo: a música mais famosa do dublê de treinador e compositor Ney Franco (que optou por enfrentar os reservas do Bahia com dois cabeças-de-área) está mais atual do que nunca para o clube que voltou a dirigir. O Fla se mostra mesmo na beira do caos...

Fonte: Blog do Renato Maurício Prado


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2014/05/Flamengo-esta-beira-caos-Wallim-Vasconcellos.html

Vídeo: os melhores momentos de Flamengo 1 x 1 Bahia.









Curtir

Arquivo do blog

As mais votadas no diHITT

Parceiros

Meus amigos no diHITT