sábado, 24 de janeiro de 2015

Cirino tem fiel escudeiro para adaptação ao Flamengo.









Ainda em adaptação ao Flamengo, Marcelo Cirino tem um aliado importante para começar a se ambientar ao novo clube. O camisa 7 rubro-negro conta com a presença do amigo Éverton, que é seu fiel escudeiro desde o início da pré-temporada, em Atibaia. É com o meia que Cirino está sempre "colado", seja em treinos ou na concentração.

Amigos desde 2013, quando defenderam o Atlético-PR, a dupla se reencontrou neste ano e não desgruda. O entrosamento entre Marcelo Cirino e Éverton é importante para o Flamengo, que deposita no reforço a esperança em ter maior poder de fogo no ataque. Fora de campo, esta parceria é fundamental para deixar Cirino à vontade.

No gramado, eles ainda buscam o entrosamento perdido pela distância em 2014. "Estamos trabalhando com maior entrosamento para aprimorar cada parte pedida pelo Luxemburgo. Joguei com o Everton em 2013, acho que é só pegar o jeito que cada um gosta de jogar para as coisas começarem a fluir", ressaltou Cirino.

Muito amigos, Marcelo Cirino e Éverton trocam elogios através das redes sociais. Com maior tempo de casa, o meia é responsável por introduzir o companheiro nas conversas durante a pré-temporada rubro-negra. A parceria dá resultado, já que o atacante já esqueceu os desafios em chegar a um novo clube e se concentra em dar resposta em campo.

Solicitado por Vanderlei Luxemburgo a desempenhar função de referência no ataque do Flamengo, Cirino tenta se adequar rapidamente ao plano tático do treinador.

"Estou preparado. O professor conversou comigo e viu a oportunidade de jogar nesta posição. O currículo dele fala por si só. Não estou acostumado, mas com o tempo as coisas vão se ajeitando. Estamos melhorando a cada jogo, tenho certeza que vamos nos entrosar melhor durante as partidas", destacou o camisa 7.

Com Cirino em campo e em busca de seu primeiro gol pelo novo clube, o Flamengo encara o terceiro amistoso nesta fase de preparação para a temporada. O time de Luxemburgo enfrenta o São Paulo, às 17h deste domingo, em Manaus. O clássico é válido pelo torneio Super Series.


Fonte: UOL


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/cirino-tem-fiel-escudeiro-para-adaptacao-ao-flamengo.html

Chegada de Montillo agrada ao elenco do Flamengo.









O Flamengo segue aguardando uma definição sobre o caso do meia Montillo. Enquanto isso, os torcedores e os jogadores rubro-negros aprovam a possível chegada do argentino à Gávea. O atacante Marcelo Cirino comentou sobre a possibilidade de contar com o reforço, que agregaria valor ao elenco ao longo da temporada.

– Montillo é um grande jogador, tem muita qualidade em diversos aspectos. Se ele vier a vestir a camisa do Flamengo, vai agregar muito ao nosso grupo ao longo da temporada e ficarei feliz por isso, será um diferencial importante – afirmou.

A diretoria do Flamengo segue otimista para conseguir a contratação de Montillo. Atualmente, o jogador recebe aproximadamente 700 mil euros (cerca de R$ 2 milhões) mensais no Shandong Luneng, da China, e até aceita reduzir o salário para quase 400 mil dólares (perto de R$ 1 milhão). Padrão salarial considerado elevado para a diretoria encabeçada pelo presidente Eduardo Bandeira de Mello, mas possível de ser concluída com a ajuda de investidores – o Flamengo está com a ajuda da Doyen Group, a mesma que participou do acerto com Marcelo Cirino, para esta operação.

Após a negativa por Conca, Montillo passou a ser o nome mais desejado pelo Flamengo para assumir a camisa 10 – desocupada, por ora, neste ano. E ainda comporia uma posição carente desde a saída de Ronldinho Gaúcho – em meados de 2012 – que mesmo não sendo o homem de criação, era a referência da equipe. Atualmente, o técnico Vanderlei Luxemburgo conta apenas com Lucas Mugni e com Arthur Maia para a armação das jogadas no meio.


Fonte: Lancenet


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/chegada-de-montillo-agrada-ao-elenco-do-flamengo.html

Coitados: Botafogo irá à Globo por maior cota de TV.










O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, pretende sentar no próximo mês com o diretor da Globo Esportes, Marcelo Campos Pinto, para pleitear um aumento na cota televisiva que é paga atualmente ao clube. Segundo Pereira, “a diferença é grande demais para os outros clubes”. O Botafogo é o clube que recebe a menor quantia entre os 12 maiores times de futebol do país. Em relação ao rival Flamengo, a diferença foi em torno de R$ 70 milhões em 2013, segundo dados dos respectivos balanços.


Fonte: Lancenet


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/coitados-botafogo-ira-globo-por-maior-cota-de-tv.html

La dolce vita de Eduardo Bandeira de Mello.










La dolce vita de Eduardo Bandeira de Mello. Sem a Fontana di Trevi e a Anita Ekberg pra se inspirar. Quando vi La dolce vita do Federico Fellini tive sensação semelhante ao receber o desafio republicano de escrever sobre o presidente do Clube de Regatas do Flamengo. Tentei colocar as informações numa ordem cartesiana. Num marco histórico. Numa cronologia com início, meio e fim. Tanto o filme, quanto um simples bate papo com o chefe da Nação Rubro-Negra fogem a ordem natural das coisas. Isso é Flamengo. Isso é Fellini. Para o diretor italiano, o cinema é o modo mais direto de se entrar em competição com Deus. Eu ouso dizer, depois de uma tarde com Eduardo Bandeira de Mello, que ser presidente do Flamengo também.

De doce a vida de um presidente do clube mais popular do país não tem nada. O título genial de Fellini é cheio de significados e ironia. O desse texto inclusive. Eduardo Bandeira de Mello nasceu Flamengo. Por parte de pai e mãe. A família não teve mistura. Ele é um sangue azul. Sem ou com trocadilho. Suas principais lembranças da infância envolviam a família reunida  em torno da televisão do avô, isso num ano que o Flamengo não conquistou o campeonato, lembrou o presidente. E o Brasil foi campeão do mundo sem vencer o Mais Querido. Em um amistoso disputado no Maracanã, 28 dias antes da estreia da seleção na Suécia, que tinha no seu scratch os rubro-negros Joel, Dida e Zagallo. 1958,  o ano da infância do presidente. Questão – para uma rubro-negra como eu – muito mais importante que o título de campeão do mundo do Brasil.

Depois disso, surgiu um brilho no olhar do presidente que me lembrou o Mastroianni vendo a Anita Ekberg na famosa cena da Fontana. Ele quase que declama. É uma poesia ouvir a escalação do Flamengo da sua juventude, o time de 1963: Marcial, Murilo, Luis Carlos Freitas, Ananias, Paulo Henrique, Carlinhos, Nelsinho, Espanhol, Aírton, Geraldo e Osvaldo. Lembrou também do Gerson e do Dida que foram negociados. E daquele sentimento de perda que já naquela época causava na torcida. Mas o time campeão foi esse que eu te falei. E título é o que vale, é o que nós queremos, amamos e precisamos,  n-ã-o-é-p-r-e-s-i-d-e-n-t-e?

Eu quis saber quando foi a primeira ida dele ao Maracanã. Uma das críticas mais contundentes da oposição política atual do clube é que a diretoria-caviar-azul nunca frequentou as arquibancadas do Maracanã. Então o Bandeira voltou a me olhar com olhos de Mastroianni. Apesar de. Não sei precisar o ano, acho que foi 1959 ou 1960 num Flamengo x Vasco. Mas nós perdemos com gol de pênalti. O goleiro deles, Ita, agarrou tudo naquele dia. Inclusive um pênalti do Moacir.  Eu perdi uma noite de sono, ou sonho, para descobrir o ano preciso da primeira ida do presidente ao Maraca.  Em 1959, o Flamengo só empatou com o time da Colina. Já em 1960, encontrei uma pista num livro-herança do meu velho pai: “Vasco venceu. Mas, Fla caiu de pé: 1 x 0”. A boa e velha “FLAPRESS” nos brindando com essas manchetes geniais, não é mesmo? Neste ano perdemos pra eles nos dois turnos do Carioca. No primeiro entramos com Ari, Joubert, Monin, Jadir, Jordan, Carlinhos, Moacir, Othon, Henrique, Luís Carlos e Babá (O jogo que “caímos de pé” com gol do Wilson Moreira, no dia 4 de setembro). No segundo turno fomos de Edmar, Bolero, Monin, Jadir, Jordan, Carlinhos, Gérson, Babá, Moacir, Henrique e Germano (Em 26 de Novembro, com gol de Delém. Deve ter sido nessa época que começou nossa sina de tomar gol de nomes estranhos). Valendo a consideração do presidente: Qual desses dois jogos perdemos de pênalti? Curioso que o Ita, o goleiro  que fechou o gol do Vasco para infelicidade do menino Bandeira era reserva do Barbosa. Chegou ganhando Cr$ 4 mil cruzeiros, entre luvas e ordenados, e saiu com o último contrato lhe dando Cr$ 400 mil mensais e um Fusca!

Os Anos 60 foram importantes na formação do TORCEDOR Bandeira. Foram tempos de times tecnicamente fracos mas com uma raça, me contou exaltado.  Essa característica passou a ser para ele (e para torcida do Flamengo) condição fundamental para um jogador rubro-negro. Eu gosto de jogador que se entrega, que dá o sangue. Quando eu tinha 15 anos o melhor jogador do Flamengo era o Silva. Já o que eu mais gostava mesmo era o Murilo. Inclusive, na época da campanha, eu tive o prazer de conhecê-lo pessoalmente. Pra ele não tinha bola perdida, era um lateral direito ofensivo, praticamente  ‘indisciplinado’ pois ia quase que contra a ordem do treinador. Ele se mandava para frente, não queria nem saber, devia correr uns 20 km no jogo inteiro. Sempre gostei de jogador raçudo. Nessa hora eu fechei os olhos, entrei no chafariz e gritei: “Marchhhellllllo, Come Here!!!!” Imaginem o presidente do FLA-MEN-GO, na sua frente, falando de um lateral direito ofensivo, que corria o jogo inteiro??!?!!? Que agonia! Eu só pensava “nele”.  Bom, eu estava ali para conhecer um pouquinho mais dos sonhos do presidente, e não dos meus. O Fellini filmava seus próprios sonhos. Gosto de pensar nisso.

Até então o papo estava alto nível, até que eu quis  saber de algum jogador baranga, um perna de pau que tivesse marcado a história dele. Sinceramente nunca pensei nisso. E se tem uma coisa que eu não gosto é quando a torcida do Flamengo hostiliza algum jogador. Nessa hora eu quis sair correndo sem olhar para trás. Imagina o presidente me vendo nas arquibancadas do Maracanã, com aquela minha educação do Sacre-Coeur às avessas?!?! Mas, ousadamente, questionei: “Como assim presidente? O Senhor não gosta de vaia? Nem quando vê o cara com as mãos na cintura, paradão, ou dando passe de calcanhar em jogo decisivo?” Não. Não gosto de vaia. Até admito no final do jogo, mas durante a partida é pouco inteligente. As vezes o jogador está ali se esforçando, você percebe a limitação dele e de repente é vaiado?!?! Ele acaba ficando pior ainda. Aí vem a imprensa, os jornalistas pegam no pé, eu NÃO gosto. Eu nunca gostei de ridicularizar jogador. Vestiu o manto sagrado tem que ser respeitado. Se está demonstrando falta de compromisso eu até aceito, mas se ele está jogando mal por limitações, acho que não deve. Eu queria ter mais tempo com ele para debater esse ponto. Eduardo Mastroianni, se tem limitação não pode vestir o manto sagrado, não é mesmo? Não é doce a vida de um presidente sendo entrevistado por uma torcedora-blogueira.

Então me diga, quando o senhor conheceu sua esposa disse pra ela: Na minha vida o Flamengo vem em primeiro lugar? Não precisei. Ela até dizia que era botafoguense quando começamos a namorar, em 1980. Ela ia comigo para o Maracanã, e vendo aquele time, acompanhando aqueles jogos, e ainda mais querendo casar com o BONITÃO aqui, virou Flamengo. Conclusão: Mais uma vitória sobre o Botafogo. [Marchhhelllo, Marcheeeeellllooo!] E os meninos, que nasceram um em 1982, e dois em 1989 são todos muito ou tão Flamengo quanto eu. E quando a família e os filhos são citados, começamos a lembrar dos episódios que marcaram época nesses dois anos de gestão, que envolveram justamente os meninos e posturas do presidente-torcedor nos estádios e até no aeroporto. É impossível separar o presidente do torcedor nessas horas, me disse ele. E quando envolvem filhos com ameaças, agressões e xingamentos o pai acaba tomando as dores. Mas eu não agredi nenhuma velhinha no Maracanã, como fui acusado no dia seguinte ao jogo de Flamengo x Lanús. É verdade, confirmei, não agrediu mesmo. Eu estava bem pertinho dele. Até porque nesse dia, eu deveria ter sido a primeira a ser agredida, pois xinguei todas as gerações dos Bandeira de Mello durante a partida. Só que  ninguém me ouviu. Ufa. Já a imprensa fez a festa nesse episódio, entre tantos outros, e eu aproveitei para perguntar  sobre a relação com os jornalistas e os blogueiros e seja o que Zico quiser! Afinal, foi em La Dolce Vita, que os “paparazzos” se imortalizaram. O personagem do Marcello Mastroianni era um jornalista, dá um desconto presidente. De uma maneira geral é boa. Eu diria que me dou bem com 99% da imprensa e dos blogs. Quem faz parte desse 1% aí, presidente? Não vou citar nomes, mas não é difícil de descobrir. 

Enquanto íamos conversando lembrei que La Dolce Vita é um filme todo em preto e branco. Entretanto,  foi tão bem rodado que a sensação que temos é que ele sempre foi um filme colorido.  Muitos rubro-negros tem essa mesma impressão da gestão Bandeira de Mello, as cores vivas dos títulos, das vitórias, das grandes conquistas não apareceram ainda, como a chapa eleita no período da campanha propagou: Flamengo Campeão do Mundo. Porém, o senso comum anuncia que o Clube chegará lá. Outros ainda insistem na velha política trabalhando internamente para (re)assumir o poder rubro-negro na próxima eleição. A conferir. Afinal, no meio do caminho havia um Bandeira. Havia um Bandeira no meio do caminho.

Foi o acaso que te elegeu, presidente? Destino? Missão Divina? Não sei o que foi. Talvez um conjunto de fatores, seguramente não foi planejado. Quando o Walim me chamou eu topei sem imaginar que seria presidente. E acabou acontecendo. Provavelmente se eu tivesse construído minha vida com esse objetivo poderia não ter acontecido, como é o caso de muita gente que teve e ainda tem essa ambição. Eduardo, ser presidente foi a maior loucura que o senhor já fez pelo Flamengo? Se pensar bem… Ele me respondeu com ar de reticências e um olhar distante. Em seguida lembrou que quando tinha 15 anos foi com três – dos seus cinco irmãos – assistir um jogo lá na Bariri. Saíram da Usina no maior estilo Guia Rex debaixo do braço (GPS é para os fracos), para assistir um jogo de juvenis. O time era uma porcaria, não estava disputando nada naquele ano, mas resolvemos ir. Pegamos três conduções, cada um carregando uma bandeira do Flamengo, e quando o time entrou em campo eles foram direto nos cumprimentar. Jogava o Zanata, o Chiquinho do Leblon, o Washington, o Tinteiro, mas o jogo era inexpressivo. No final tivemos a maior dificuldade para voltar pra casa, e claro, levamos uma bronca danada para ver um jogo que não valia absolutamente nada. Depois disso, teve também aquele 5 x 1, em Volta Redonda, que eu fui assistir no velho Raulino de Oliveira, com a minha mulher GRÁVIDA. Pra ver aquele time de 1981 valia qualquer sacrifício.  Nem precisa pensar bem…

Em um ano de eleição insisto em saber a DOR e a DELÍCIA de ser presidente do Flamengo. A dor é quando o time está perdendo e você não pode entrar em campo. Você sabe que na parte administrativa está fazendo o melhor trabalho possível, mas as coisas não estão acontecendo, e as consequências dessa derrota extrapolam o ser presidente, a sua pessoa. Eu já tive filho ameaçado! Você está no Maracanã e as pessoas te xingando (ai Jesus, desculpa presidente), xingando a sua mãe que não tem nada a ver com aquilo e ela também está sofrendo por minha causa, enfim, isso é desagradável. Já a delícia… A delícia é poder ajudar o Flamengo. É ver de perto o que ele representa na vida das pessoas. Você sai na rua…nossa…eu sempre fui discreto, anônimo, nunca fui reconhecido, não era pra ser mesmo, e você vê as pessoas humildes, o time perdendo, e as pessoas falando: “presidente, é isso mesmo, a gente tem que resgatar nossa dignidade, temos que ser bom pagadores, temos que dar o exemplo, o senhor tá certo”. E você vê esse tipo de coisa e isso é gratificante.

Preciso ser mais evoluída e muito mais humilde.

No Amor, na Guerra e no FLAMENGO vale tudo, presidente? Não, claro que não. Respondeu categórico. Então me diga qual foi sua tomada de decisão mais difícil, alguma que tenha causado tristeza ou dor. Tem várias. Toda vez que eu tenho que assinar uma demissão aqui, dói.  Completei na lata: A demissão do Ney Franco doeu? Não acredito. Ele rebateu. O Ney Franco é uma pessoa seríssima, um profissional caprichoso, eu assistia os treinos dele. Mas não estava acontecendo. Foram sete jogos, perdeu cinco, e um conjunto de coisas que contribuíram para aquilo, mas que não desqualificam o trabalho dele. Imaginei como outros presidentes, ex-presidentes, teriam lidado com “esse conjunto de coisas que contribuíram”. Perguntei se ele se espelhava em algum ex-presidente. Ou melhor, se isso era possível. O presidente Márcio Braga foi, com certeza, um presidente marcante. Eu, por exemplo, comprei meu título de sócio proprietário para poder votar nele. Já disse isso a ele. Quando o grupo dele assumiu, foi um marco, um salto de qualidade na administração do Clube. Se bem que, mesmo o pessoal que vinha antes, tinham coisas positivas como o trabalho da divisão de base. Eles inovaram nas ações, mas encontraram Leandro, Adílio, Andrade. Só que  tiveram competência para trabalhar esse ativo, foram vanguarda naquela época. Certamente sem eles o Flamengo não tinha chegado até aqui. Uma (sub)consciência interessante.

E o senhor está sendo vanguarda também? Acha que está fazendo história no Clube? Todo mundo que passa pela presidência do Flamengo fica marcado. Nesse sentido eu não serei diferente, mas sinceramente não é isso que me move. Eu não estou aqui por vaidade pessoal, nenhum de nós do grupo está aqui por vaidade pessoal. Eu jamais vou dizer que eu sou realizado como presidente do Flamengo. Ficarei realizado seu eu puder dizer, daqui a alguns anos, que fui um bom presidente, que o Clube melhorou no período que trabalhei nele.  O presidente do Flamengo erra? Ou NÃO pode errar? Todo mundo erra. Eu naturalmente estou errando e vou errar ainda mais. Tenho acertos e erros. Como eu vivo o Flamengo desde criança, consequentemente acompanhei muito das coisas que passaram por aqui. Eu tento aplicar as boas e evitar as ruins.

Enquanto aquela conversa-perfil ía se desenhando, pensei no quão significativa foi a crítica de Fellini no filme a um distanciamento daquilo que somos. Logo, do que sentimos quando o Flamengo se distancia do que ele é. O Flamengo é para aquilo que nasceu: ser campeão. Maior e melhor que tudo e todos. E quando isso não acontece o mundo, a vida, o SER, perde o sentido. Conversamos sobre as derrotas do mandato que doeram na alma. Destacamos os acertos financeiros. Exaltei uma bola na trave que ele, sim ele, o presidente meteu em um jogo festivo na Gávea. Se aquela bola entra ia ficar ainda mais bonito, declarou com olhos de Mastroianni. Sim, se aquela bola entra. Aproveito a deixa pra saber o que ainda não sei. Em 2015, “o que falta para a bola entrar, presidente?” Tudo pode acontecer esse ano. Pode surgir um fato que leve o nosso grupo a ficar melhor ainda do que está em termos de aceitação. Ou algo contrário, ruim, o que seria uma surpresa que eu acho muito difícil pois estamos tentando fazer tudo direitinho. Eu espero que os sócios possam votar pela continuidade, por um modelo de responsabilidade, trabalhar por um Flamengo sustentável, sem precisar de espasmos. O Flamengo tem tudo para ser o principal clube brasileiro e um dos maiores do mundo. Basta que a gente trabalhe de maneira séria e honesta. Se serei eu, ou outro, ainda está cedo. Nesse momento eu não descarto a minha candidatura, mas também não faço questão. Tem uma coisa muito boa de uma garotada, da sua geração, que está chegando e participando e isso me dá a certeza que estamos plantando uma semente muito boa. Pensando nessas palavras do presidente me lembrei de Amarcord, outra obra genial do Fellini, que quer dizer EU ME RECORDO. E encerrei o papo com ele citando uma frase do cineasta, no melhor estilo República Paz e Amor e seus intrépidos meninos. NÃO HÁ FIM. NÃO HÁ UM COMEÇO. EXISTE APENAS A INFINITA PAIXÃO DA VIDA. Da vida rubro-negra.

Pra vocês, Paz e Amor.

Vivi Mariano.


Fonte: República Paz e Amor


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/la-dolce-vita-de-eduardo-bandeira-de-mello.html

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Éverton deve deixar Cruzeiro e Eto'o acerta com Sampdoria.









Nesta sexta-feira o mercado da bola não teve muitas negociações. Mas, pode-se destacar algumas novidades: uma delas é que o Cruzeiro, depois de ter confirmada sua perca de Lucas Silva para o Real Madrid, agora pode perder Éverton Ribeiro. O Al-Ahli, dos Emirados Árabes, e o Milan, da Itália, disputam o jogador.

Os italianos aumentaram a proosta anterior e ofereceram 10 milhões de euros (cerca de R$ 30 milhões) pela totalidade dos direitos do melhor jogador do Brasil nas últimas duas temporadas. A proposta, no entanto, não agrada a diretoria do Cruzeiro e o atleta deve se transferir para o Al-Ahli. O clube de Dubai propôs 9 milhões de euros (cerca de R$ 27 milhões) por 60% do direitos do craque.

Com relação a Lucas Silva, Valdir Barbosa, gerente de futebol do Cruzeiro, confirmou a saída do volante para o Santiago Bernabéu. A transação do atleta envolve a bagatela de 14 milhões de euros (cerca de R$ 42 milhões). O meio-campista chega ao clube para substituir Illarramendi, que deve ser negociado com o Athletic Bilbao.

Mas, também teve gente chegando ao Cruzeiro. O meia uruguaio De Arrascaeta foi apresentado nesta sexta pela Raposa. Na oportunidade, o presidente do clube, Gilvan de Pinho Tavares, comentou que tem negociações em andamento para repor as vagas deixadas pelas baixas que o time sofreu. O principal setor é a lateral esquerda. O clube tenta a contratação de dois jogadores: Mena, ex-Santos, e Pará, do Bahia, que está mais próximo do acerto.

Já para ocupar o lugar de Lucas Silva, um dos nomes cogitados é o de Arouca, volante do Santos. Porém, devido ao imbróglio que o envolve o clube santista na Justiça e também ao interesse do Palmeiras no atleta, o negócio é visto como muito complicado, dada a urgência que o clube tem para repor a vaga.

Quem pode vir e quem não vem

Se o Flamengo ainda alimentava um mínimo de esperança pelo acerto com Montillo, a confiança parece ter aumentando ainda mais para os dirigentes depois do encontro com a cúpula do Shandong Luneng, da China. Isso porque antes do encontro na Gávea, os chineses nem cogitavam uma conversa pelo meia. Agora, já se mostraram mais solícitos para a possibilidade de um negócio. Assim, o Rubro-Negro terá uma semana de trabalhos intensos para articular a melhor opção pelo argentino, já que uma definição deve ocorrer até a próxima semana.

Já no São Paulo, se ainda havia expectativa pela vinda de Eto'o, elas podem acabar.Na última quinta-feira, o vice-presidente de futebol do Tricolor, Ataíde Gil Guerreiro, já tratava essa possibilidade como muito difícil. Agora, sem chance. O atacante jogará pela Sampdoria por três temporadas e meia. Segundo o jornal catalão "Mundo Deportivo", o camaronês assinou contrato com o clube italiano.

Transações

O contrato do meia Robinho com o Palmeiras, enfim, foi assinado e tem quatro anos de duração. Após a resolução de um conflito entre investidores e o Coritiba, ex-clube do jogador, o Alviverde fez sua 16ª apresentação de reforço nesta temporada. E ele já chegou garantindo que 2015 não terá o mesmo sofrimento do ano que passou. Já o Coritiba oficializou a contratação do atacante Mazinho, ex-Verdão, nesta sexta-feira. Envolvido na venda de Robinho para o Palmeiras, o atacante, que chega por empréstimo, finalmente assinou contrato com o Coxa. Seu salário continuará sendo pago pelo clube paulista, mas o tempo de contrato não foi divulgado.

No Vasco foi anunciada a contratação do volante Serginho, em uma negociação que o LANCE!Net havia antecipado. O anúncio foi feito pelo Cruz-Maltino em seu site oficial. O jogador, que passou as duas últimas temporadas no Criciúm mas que pertence ao Atlético-MG, faz exames médicos neste sábado e já se juntou ao elenco. Serginho fica em São Januário por empréstimo de um ano.

De saída e a caminho

Promessa da base do Fluminense, o atacante Denilson está de saída do clube. Ele foi negociado com a Udinese da Itália, e passará o primeiro semestre de 2015 emprestado ao Granada, da Espanha. Segundo Fred Moraes, empresário do jogador, a transferência foi acertada hoje e já vinha ocorrendo desde o final do ano passado. Moraes ainda afirmou que, em breve, o negócio vai ser confirmado pelo clube.

No Atlético-MG, mesmo reintegrado ao elenco, o atacante Jô pode estar com os dias contados no clube. O jogador estava afastado desde novembro, por conta de postura indisciplinar, mas voltou a treinar com o elenco profissional em 2015. Enquanto isso, a diretoria procura negociar o atacante, que além de não fazer parte dos planos de Levir Culpi, tem um salário considerado alto. De acordo com o site Uol, o Atlético-MG já recebeu algumas propostas pelo jogador.

Já no Botafogo, o vice-artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro do ano passado, com 15 gols, Tomás, já tem data para se apresentar: segunda-feira. O jogador de 22 anos será submetidos a exames médicos antes de se juntar ao elenco alvinegro. As informações foram divulgadas no site oficial do Glorioso. Tomás foi o grande destaque do Boa Esporte no ano passado. Ele chegou a ter propostas de outros grandes clubes do futebol brasileiro, mas optou por acertar com o Alvinegro.

Negociações para permanência

O Fluminense se se esforça para não ficar sem mais um jogador. Depois de perder o argentino Darío Conca para o Shanghai Dongya, da China, o Flu estava apreensivo sobre a permanência de outro craque. O atacante Fred, principal jogador do time, recebeu nesta semana uma proposta do futebol chinês, e poderia deixa o clube, mas o técnico Cristóvão Borges afirmou que o atacante está muito próximo de continuar no clube das Laranjeira. De acordo com o treinador, as conversas entre as partes estão bem adiantadas, só faltando o contrato ser assinado.

No Corinthians, segue a preocupação com a situação do centroavante Paolo Guerrero. O jogador tem contrato apenas até 15 de julho deste ano e já poderia assinar pré-contrato com outro clube. Nos últimos meses de 2014, não houve consenso após diversas reuniões entre as partes. Nesta quinta-feira, o gerente alvinegro, Edu Gaspa, afirmou que já sabe o que propor ao camisa 9 e espera uma nova conversa em breve.

O impasse com o peruano é financeiro. Guerrero pediu inicialmente R$ 18 milhões de luvas para renovar, e depois aceitou baixar a pedida para R$ 16 milhões. O Corinthians, porém, afirmou que só poderia chegar a R$ 10,2 milhões e pagar o restante com ações de marketing. O jogador não aceitou. O clube também espera que ele reduza a pedida, ou aceite os termos de alguma forma.

Goleiro perto, zagueiro longe

A negociação entre Santos, Coritiba e o goleiro Vanderlei evoluiu nesta sexta-feira. Após o Coxa liberar o arqueiro para tratar com o Peixe, as duas partes entraram em um acordo salarial para que o novo camisa 1 assine contrato com a equipe da Vila Belmiro. Entre o clube paranaense e o jogador, que até quinta-feira treinou com o grupo, havia uma dívida, que será paga em um acordo feito entre eles. Já na conversa entre o Coritiba e o Alvinegro, o segundo cogitou oferecer jogadores em troca, o que foi recusado, assim como um empréstimo.

Além de Vanderlei, o Santos deseja um outro jogador do Coritiba, o zagueiro Leandro Almeida, de 27 anos. Contudo, a negociação com o marcador é muito mais difícil do que com o goleiro. Isso porque o Coxa quer que o jogador perdoe uma dívida que o clube tem com ele para liberá-lo.  O valor devido pelo Coritiba é de mais de R$ 1 milhão, entre luvas e salários atrasados. Leandro não está disposto a abrir mão desse valor, nem o Santos quer assumí-lo.

Por outro lado, o Coxa quer reduzir sua folha salarial e, por isso, se livrar o zagueiro, que tem uma das maiores remunerações do elenco alviverde. Leandro Almeida também esteve na mira do Cruzeiro recentemente e gostaria de trocar o Couto Pereira pela Vila Belmiro. Pessoas envolvidas na negociação, no entanto, demonstram pessimismo.


Fonte: Lancenet


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/everton-deve-deixar-cruzeiro-e-etoo-acerta-com-sampdoria.html

Fla bate Corinthians e decide com Grêmio a Copinha sub-15.









Antes da semifinal da Copa Brasil de Futebol Infantil, cinco jogadores do Flamengo receberam a notícia para de que haviam sido convocados por Cláudio Caçapa para a Seleção Brasileira da categoria. Athirson Wesley, Patrick e Vinicius, que já estavam na lista anterior, ganharam a companhia de Marx Lenin, que vai vestir a camisa amarelinha pela primeira vez. Também presentes na lista passada, Leandro e Lincoln desta vez ficaram de fora, mas foram importantes em campo na noite dessa sexta-feira (23), ajudando a geração 2000 do Fla a se garantir em mais uma final. Confira como foi:

Enquanto rolava o aquecimento antes de outro confronto de mata-mata, o que virou rotina para o elenco sub-15 da Gávea, Figueirense e Grêmio decidiam a primeira vaga para a final nos pênaltis. Depois de um empate em 1 x 1, os gaúchos levaram a melhor nas cobranças e avançaram com um triunfo por 5 x 4. Na arquibancada, a grande torcida corintiana já fazia festa antes mesmo da bola rolar para a segunda semifinal, mas teve que se calar para a Nação Rubro-Negra, que também se fez representada e comemorou.

Desfalcado do lateral esquerdo Athirson, que estava suspenso, o Flamengo começou melhor o jogo debaixo de forte chuva e quase abriu o placar nos primeiros minutos com Marx Lenin, que experimentou ‘do meio da rua’ e quase pegou de surpresa o goleiro adversário. A pressão prosseguiu. Vinicius acertou a trave e no lance seguinte marcou um gol, mas o juiz, de forma muito estranha, anulou. Porém, um minuto depois, aos 21, Lincoln aproveitou um contra-ataque certeiro e não perdoou, tocando por cima do goleiro para fazer 1 x 0, parcial do primeiro tempo. O gol foi o primeiro sofrido pelo Corinthians na Copa Brasil inteira.

Na volta para o segundo tempo, a equipe adversária colocou a bola no chão e equilibrou as ações do confronto, mas a defesa do Flamengo se mostrou bem segura, evitando sustos, e deixando o placar parado até os 14 minutos, quando Vinicius conseguiu invadir a área e bateu na saída do goleiro para marcar 2 x 0. O gol foi o sétimo dele em cinco jogos, aumentando a vantagem na liderança da briga pela artilharia. Daí pra frente foi só toque de bola cadenciando o jogo, aos gritos de olé, até o apito final. A decisão da Copa Brasil de Futebol Infantil acontece no próximo domingo (25), no mesmo Estádio Municipal de Votorantim, às 10h. Na primeira fase, Flamengo e Grêmio se enfrentaram e o Fla venceu por 3 x 0, com um jogador a menos em campo desde o primeiro tempo.


Fonte: Flamengo em Foco


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/fla-bate-corinthians-e-decide-com-gremio-a-copinha-sub-15.html

Fla treina marcação sob pressão para enfrentar o São Paulo.









Um Flamengo ajustado defensivamente e sem dar espaços para o São Paulo. É isso que Vanderlei Luxemburgo quer para a decisão do Torneio de Verão de Manaus, domingo, na Arena Amazônia. Depois de trabalhar muito finalização pela manhã, o treinador comandou um longo trabalho tático no início da noite desta sexta-feira, no estádio da Colina, que pertence ao São Raimundo, e deu atenção total ao poder de marcação rubro-negro.

Durante o trabalho, que contou com grande público e durou mais de uma hora, Vanderlei não se privou de participar bastante e a todo instante gritava pedindo maior aproximação na marcação. Apenas o time reserva teve posse de bola na maior parte. Em um primeiro instante, os titulares marcavam pressão, no campo de ataque. Depois, recuavam bem ajustados atrás da linha de meio-campo, com Marcelo Cirino dando tiros para tentar interceptar a troca de passes dos zagueiros.

Em vantagem numérica pelo posicionamento, sempre cada jogador adversário tinha alguém grudado em suas costas e a marcação era dobrada quando o recebia a bola.  A escalação para o jogo com o São Paulo será a mesma que venceu o Vasco, quarta-feira, com Paulo Victor, Léo Moura, Wallace, Samir e Anderson Pico; Cáceres, Canteros e Arthur Maia; Nixon, Everton e Marcelo Cirino.

Eduardo da Silva e Gabriel seguiram fazendo trabalhos específicos para fortalecimento muscular. Sendo assim, Deivid relembrou os tempos de jogador e completou o time reserva. Nos minutos finais, os papéis se inverteram, e os titulares eram quem sofriam para sair com a bola diante de uma forte marcação. Por fim, Luxa voltou a trabalhar finalização em arrancadas frontais.

Flamengo e São Paulo se enfrentam domingo, às 17h (de Brasília), na Arena Amazônia. Após a partida, a delegação rubro-negra retorna para o Rio de Janeiro, depois de três semanas de pré-temporada, e finaliza a preparação para estrear no Carioca diante do Macaé, dia 31, no Cláudio Moacyr, em Macaé.


Fonte: GE


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/fla-treina-marcacao-sob-pressao-para-enfrentar-o-sao-paulo.html

Sem temer o São Paulo, Samir quer título por ânimo a mais.









Um Flamengo sem temer ninguém. Assim, a equipe promete entrar em campo domingo para decidir com o São Paulo o torneio de verão de Manaus. Para os rubro-negros, pouco importa se do outro lado estará o vice-campeão brasileiro. Mesmo em fase de reformulação, a confiança é grande em conquistar o primeiro título do ano, principalmente com base no empate por 2 a 2, no Morumbi, no último Brasileirão. Presente naquela partida, Samir promete encarar o Tricolor paulista de igual para igual e fala da importância de começar 2015 como campeão no aspecto motivacional.

- Estou tranquilo, como fico em todos os jogos. A confiança é a mesma, seja contra São Paulo, Grêmio, quem for. As duas equipes passaram por reformulação e temos que entrar com o mesmo vigor (do jogo do Morumbi). O Flamengo tem que brigar por todos os títulos que disputar, seja de pré-temporada ou não. Começar o ano sendo campeão dá um ânimo a mais para entrarmos no Carioca.

Com boas atuações nos amistosos contra Shakhtar Donetsk e Vasco, Samir tem se garantido ao lado de Wallace como titular neste início de temporada. Toda linha defensiva, por sinal, é remanescente do ano passado, do time que escapou da confusão. Para o camisa 4, o entrosamento tem sido determinante para que o Fla ainda não tenha sido vazado no ano.

- Estamos juntos desde o ano passado, temos um entrosamento muito legal ali atrás e tudo fica mais fácil. Quando a bola chega no Paulo Victor, já chega mais mastigada. Esperamos um São Paulo de muita qualidade.

Flamengo e São Paulo se enfrentam domingo, às 17h (de Brasília), na Arena Amazônia. Após a partida, a delegação rubro-negra retorna para o Rio de Janeiro, depois de três semanas de pré-temporada, e finaliza a preparação para estrear no Carioca diante do Macaé, dia 31, no Cláudio Moacyr, em Macaé.


Fonte: GE


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/sem-temer-o-sao-paulo-samir-quer-titulo-por-animo-a-mais.html

Cláudio Caçapa revela convocados para a Seleção Sub-15.









O técnico Cláudio Caçapa convocou nesta sexta-feira 26 jogadores para um período de treino da seleção brasileira sub-15, que se prepara para o Sul-Americano da categoria e o Torneio Mundial de Montaigu.

Corinthians e Flamengo são as equipes com mais jogadores na lista: cinco, cada. Do rubro-negro há o meia Marx Lenin - uma provável homenagem a Karl Marx (alemão fundador da doutrina comunista moderna) e Vladimir Lenin (líder comunista da União Soviética) - e o lateral-esquerdo Athirson (batizado em homenagem ao ex-jogador Athirson).

A garotada ficará concentrada no Spa Sport Resort, em Itu, entre os dias 2 e 7 de fevereiro. O Sul-Americano Sub-15 ainda não foi marcado pela Conmebol, mas a Seleção já tem as datas do Torneio Mundial de Montaigu, na França: de 31 de março a 6 de abril.



Fonte: GE


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/claudio-cacapa-revela-convocados-para-a-selecao-sub-15.html

O que fazer com os estaduais?









O calendário do futebol brasileiro ainda contempla os Estaduais e os mantém como porta de entrada do ano. Mas a importância deles cada vez se desidrata mais. Romantismo à parte, a realidade econômica, a modernidade, impede que tenham vigor que chegue aos pés do que já tiveram. Há aqueles que, com o coração na mão, rogam por sua valorização. Merecem admiração pelo quixotismo, mas precisam tomar alguns copos de realidade.

As grandes rivalidades locais não precisam dos estaduais. Em um Campeonato Brasileiro longo, de pontos corridos, os clássicos são contemplados. E eles ainda podem se insinuar em uma Copa do Brasil da vida ou até mesmo na Libertadores. Notem que por mais resistência política e financeira que as federações tentem colocar, ano após ano esses torneios esmaecem no discurso de jogadores e dirigentes. A Libertadores. que começa em meio a essas refregas locais, é um exemplo gritante disso. Os clubes que nela estão, deixam claro que os Estaduais são meros auxiliares para dar entrosamento e testar jogadores. O título local, claro, é festejado, e serve de escudo para dizer-se que a temporada foi boa. Muitas vezes derruba treinador. Mas isso acontece porque o resultado no futebol é um mandachuva. Se o que se tem no momento para jogar é um Campeonato Paulista ou Carioca, as pressões estarão lá, ainda que a ambição de torcedores, atletas e comissão técnica dos grandes clubes não esteja focada neles.

Isso quer dizer que os Estaduais devem ser extirpados? De forma alguma, eles têm espaço para seguir existindo e sua história preservada. O problema é essa exigência de que os times do interior possam enfrentar todos os grandes. Os dirigentes de federação, preocupados em inflar sua importância – retratada na lógica do sistema, que dá a eles poder expressivo na eleição para a presidência da CBF –, recusam-se a enxergar que para os pequenos, e relevantes, clubes importa ter um calendário anual. Precisam jogar, ter receita, e permitir assim que haja emprego para tantos jogadores o ano inteiro.

Aliás, esse é um tópico repisado à exaustão pelo Bom Senso. Enquanto os Estaduais ocupam três meses do calendário e alimentam o poder de cartolas paroquiais, milhares de atletas ficam sem perspectiva. Por que não Estaduais em que times envolvidos nas primeiras divisões do Brasileiro só entrem na reta final?

Vemos que a Copa do Nordeste hoje em dia tem mais apelo para os clubes da região que os campeonatos Baiano, Pernambucano, etc… O retorno com público e visibilidade são infinitamente maiores. Dos anos 60 até os 90 do século passado os Estaduais resistiram com o escudo do Brasil, país continental. Esse argumento não resiste mais à evidência de que o futebol mudou. Ainda que sejamos um país com suas particularidades, entre elas a força de muitas rivalidades locais, a exigência econômica impera. Os grandes clubes querem se internacionalizar em um mundo globalizado e precisam de espaço no calendário para expor suas marcas no exterior. Os Estaduais seguem na marca da cal.


Fonte: Futebol e Ficção


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/o-que-fazer-com-os-estaduais.html

Ontem vi o Flamengo mudando.









Na aprovação pelo CODE por 61% de votos a favor, 242 SÓCIOS-PROPRIETÁRIOS tiveram seus direitos reconhecidos e puderam já compor o Corpo Permanente do CODE.

Parte dos 39% que votaram contra, o foi por entenderem que, apesar de não estar claro no Estatuto, a eleição para o Conselho Transitório não é condicional para a entrada de conselheiros no Corpo Permanente. É do direito deles e bastante respeitável este entendimento. Mas exatamente por casos assim, que Gilberto Cardoso Filho, em brilhante explanação no Plenário, informou que em casos omissos ou não claros, o próprio estatuto prevê que a questão deve ser decidida em PLENÁRIO, e assim foi feito.

Porém, o para mim lamentável, que parte destes 39% votaram pelo motivo primordial do receio que a entrada destes sócios-proprietários como conselheiros seria prejudicial ao Flamengo! Por representar um suposto "desequilíbrio de poder" no Plenário. Ou seja, por motivos de "pensamento de feudo", decidiram discriminar Sócios-proprietários de ingressarem no Conselho.

Felizmente a maioria não entendeu assim. Um Flamengo melhor e mais forte, tem que ter AMPLA PARTICIPAÇÃO POLÍTICA, até para evitar feudos, evitar que o Flamengo tenha "donos". O Conselho é o poder mais democrático do clube, e neste caso, ao contrário do "menos é mais", preconizado pelo pessoal do feudo, o "Mais é Mais".


Por Flavio H Souza


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/ontem-vi-o-flamengo-mudando.html

Só correria não basta.









Salve salve Nação Rubro Negra! Sei que estamos em pré-temporada e que ainda parece cedo para fazer qualquer análise sobre o que o Flamengo vem apresentando em campo, mas mesmo assim o pouco que vi me deixou preocupado.

Apesar de ainda não termos perdido, o futebol apresentado contra Shakhtar e Vasco foi bem abaixo do que era esperado. Na partida contra os ucranianos, só não perdemos porque fomos salvos várias vezes por Paulo Victor e César. Já contra os nossos rivais, conseguimos a vitória graças a um gol achado por Everton e, principalmente, por conta de mais uma atuação brilhante do nosso goleiro.

Os dois jogos deixaram bem claro qual deve ser o estilo de jogo do Flamengo ao menos neste início de ano. Teremos uma equipe voltada exclusivamente para o contra-ataque e com base na correria desenfreada, talvez pelo fato de não termos um meia pensador no nosso elenco (afinal, Arthur Maia e Mugni ainda são apostas).

É preciso alguém pra parar a bola, pensar e distribuir o jogo, por isso a carência de um ‘camisa 10’ que chegue para resolver (e não uma outra aposta) está muito evidente. Só correria não basta, afinal, como já dizem os sábios do futebol: ”quem tem que correr é a bola”.

É óbvio que o contra-ataque é letal se bem utilizado, mas não pode ser o padrão de jogo do Flamengo. Não dá para ficarmos apenas na base das roubadas de bola e saída na velocidade, o nosso time também precisa saber partir para cima e tomar a iniciativa da partida, ou realmente alguém acha que vai chover contra-ataque quando jogarmos o estadual contra esse monte de time pequeno?

A comissão técnica precisa aproveitar o fato de ainda estar na pré-temporada para corrigir as coisas que estão erradas, pois ficar nesse jogo de só correria, sem direção e sem objetividade não dá. Sei que é apenas início do ano e que muita coisa ainda vai mudar, porém, quando algo começa errado é difícil que mais pra frente vá dar certo.

Eu confio muito no trabalho do Luxemburgo. Acredito que ele vai dar jeito neste time e que teremos um 2015 muito mais competitivo do que 2014. Só que não dá pra continuar disputando os jogos tendo como melhor jogador em campo o nosso goleiro, assim nossos corações não vão aguentar!

SRN!

Leonardo Resende




PS: CHUPA EURICO!!!!!




SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/so-correria-nao-basta.html

Maurício Prado vê torcidas de Fla e Vasco preocupadas.










Para o comentarista Renato Maurício Prado, o futebol apresentado por Flamengo e Vasco na noite desta quarta-feira (21 de janeiro) é preocupante. O clássico dos milhões aconteceu em Manaus, pelo Torneio Super Séries. E quem levou a melhor foi o Rubro-Negro, com gol de Everton.

- O Sandro Silva está se revelando um verdadeiro substituto do Dedé. O Dedé, contra o Flamengo, tem um largo histórico de entregadas, embora seja um ótimo zagueiro (risos). O jogo foi bastante animado, agora, se a torcida do Flamengo e a torcida do Vasco prestaram bastante a atenção, têm motivos para estarem preocupadas em relação ao que vai acontecer na temporada. Os dois times têm alguns jogadores interessantes, mas ainda precisam se reforçar bastante para disputar algo que que não seja somente o estadual do Rio de Janeiro. No Flamengo, por exemplo, o Marcelo Cirino está se mostrando um bom atacante, mas é um atacante de lado de campo. Enquanto jogou enfiado na área praticamente não viu a bola. O meia-armador, o Arthur Maia, não pode ser o titular. Pode até estar no grupo. E o Vasco também, tem alguns bons jogadores, os dois novos laterais parecem serem jogadores interessantes, mas não é um time que, pelo menos por enquanto, não dê para confiar muito não. Ainda são times com muitas fraquezas, muitas debilidades.

Matéria redigida por Eduardo El Khouri


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/mauricio-prado-ve-torcidas-de-fla-e-vasco-preocupadas.html

Caetano exalta vontade de Montillo em jogar no Flamengo.










O diretor executivo do Flamengo, Rodrigo Caetano, falou sobre a negociação pelo meia Walter Montillo, do Shandong Luneng, durante treino do Rubro-Negro em Manaus.

- É natural que nós tenhamos que estar com o nosso radar sempre ligado nos grandes atletas, seja do futebol brasileiro ou internacional. E o Montillo é um dos casos. Nesse primeiro momento, infelizmente a equipe chinesa não atendeu a nossa expectativa, mas isso não invalida que logo a seguir, ou daqui a um tempo, não tenhamos sucesso. O Flamengo não compete a nível salarial acima do mercado, é dentro daquilo que pode cumprir. Então, se dentro do que pode cumprir já consegue ser competitivo com os grandes clubes do futebol brasileiro é porque hoje nós oferecemos algo que logo atrás não oferecíamos. Então, eu interpreto de forma positiva esse tipo de manifestação de atletas de ponta como o Montillo.

Matéria redigida por Eduardo El Khouri


SRN

Fonte: http://www.noticiasfla.com.br/2015/01/caetano-exalta-vontade-de-montillo-em.html

Reveja a partida completa de Flamengo 1 x 0 Vasco em HD!









Curtir

Arquivo do blog

As mais votadas no diHITT

Parceiros

Meus amigos no diHITT